O sistema Kanban de produção

A filosofia do Kanban é fabricar com a completa eliminação das funções desnecessárias à produção, na quantidade certa e no tempo necessário, eliminando estoques, reduzindo custos e aumentando a produtividade. Kanban significa cartão, que são utilizados para puxar a produção, ou seja, somente serão requisitados os recursos para a produção no momento em que for dada a ordem para produção, evitando desta forma o desperdício.

Algumas vezes existe uma confusão entre o sistema Kanban e o sistema Just in time (JIT). O JIT fabrica produtos na quantidade necessária, no momento exato em que o item for requisitado. O sistema Kanban é uma ferramenta para administrar o método de produção JIT, ou seja, através de um sistema de informação com cartões, controla as quantidades a serem manufaturadas pela empresa.

 

TIPOS DE KANBAN

  • Kanban de produção: autoriza a fabricação ou montagem de determinado lote de itens.
  • Kanban de requisição: autoriza a movimentação de lotes entre o cliente e o fornecedor de determinado item, podendo, por sua vez, ser caracterizado como cartão Kanban de requisição interna ou externa à empresa ou de fornecedores.

 

Os cartões Kanban são utilizados como disparador da produção, sendo que é através deles que a ordem de produzir é dada.

 

COMO FUNCIONA O KANBAN?

Vamos imaginar um processo produtivo que monta o produto X, que é composto pelo item Z e é produzido do setor de produção Y.

  • Quando para a montagem de X, são necessários itens Z;
  • O abastecedor do setor de produção X dirige-se com uma caixa vazia de produtos e o Kanban de requisição de Z;
  • Coloca a caixa vazia no local apropriado, tomando o cuidado de retirar o Kanban de requisição;
  • Dirigi-se com o Kanban de requisição ao estoque de itens acabados Z;
  • Confere os dados do cartão de requisição com os dados do Kanban de produção que acompanha cada caixa do produto Z;
  • Se as informações estão corretas, retira o Kanban de produção da caixa e o coloca no quadro de cartões de produção do setor de produção de Y;
  • Pega a caixa com itens Z, coloca nela o Kanban de requisição e a transporta para o setor de produção X;
  • Quando o serviço no setor de produção X inicia a produção com os itens de Z que estão na caixa, o cartão de requisição é retirado e enviado ao quadro de cartões de requisição do setor de produção X;
  • A retirada dos Kanban de requisição do quadro é efetuada em horários prédeterminados ou então quando estiver acumulado certo número de cartões;
  • Em um centro produtivo no qual é produzido mais do que um produto, os itens devem ser fabricados de acordo com a ordem sequencial dos Kanban que estão no quadro de cartões de produção;
  • O produto ou a caixa do produto e o Kanban devem movimentar-se pela fábrica como um par, isto é, não pode circular caixas sem Kanban e Kanban sem caixa.

 

O Kanban tem como característica um sistema visual, sendo que as suas cores são equiparadas a um semáforo, onde a cor verde significada que a produção está fluindo bem; com o amarelo devemos ficar atentos e o vermelho significa que a situação está crítica.

O sistema Kanban não é uma receita pronta que pode ser aplicada a todos os tipos de processos e empresa, pois mesmo dentro de uma única empresa poderão existir soluções diferentes de controle de produção que sejam eficiente àquele determinado tipo processo, ou seja, cada processo possui suas particularidades.

 

REFERÊNCIA

ALVAREZ, Maria Esmeralda Ballestero. Administração da qualidade e da produtividade: abordagens do processo administrativo. São Paulo: Atlas, 2001.

TUBINO, Dalvio F. Manual de planejamento e controle da produção. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

Autor(es): Rosemary Martins

Sobre o(s) autor(es)

Meire
Rosemary Martins
Administradora de Empresas, Pós-graduada em Comportamento Organizacional e Recursos Humanos, Mestre em Engenharia da Produção e Sistemas. Você também pode encontrar mais informações sobre meus posts no meu perfil do Google+