Método do Caminho Crítico

O objetivo deste post é apresentar de maneira simples e esclarecer o funcionamento  do método do caminho crítico no gerenciamento de projetos, para que o leitor consiga entender sua metodologia.

O método do caminho crítico refere-se a um conjunto de técnicas utilizadas para o planejamento e o controle de projetos. Os fatores relativos a um projeto são três: prazo, custo e qualidade, e o método do caminho crítico é utilizado para o gerenciamento dos tempos e dos custos e, também, para permitir a avaliação dos níveis de recursos, que são necessários para desenvolver um projeto.

A aplicação desse método na programação da produção ocorre toda vez que devemos programar produtos únicos e não repetitivos, como por exemplo, a programação das atividades necessárias à construção de um navio ou de um avião.

Existem dois métodos distintos:

PERT – Program Evaluation and Review Technique (Programa de Avaliação e Revisão Técnica).

CPM – Critical Path Method (Método do Caminho Crítico).

 

PERT E CPM

A ideia básica do PERT e do CPM está na identificação do caminho que consome mais tempo, através da rede de atividades como base para o planejamento e o controle de um projeto. Tanto o PERT como o CPM utilizam flechas e nós para a construção gráfica do projeto. Originalmente, as diferenças básicas entre o PERT e o CPM eram que o PERT utilizava flechas para representar as atividades, enquanto o CPM utilizava nós para essa representação. Outra diferença estava associada à estimativa de tempo para a realização das atividades, onde PERT fazia uso das três estimativas de tempo: otimista, pessimista e a mais provável, para a realização de uma atividade, enquanto o CPM utilizava uma única estimativa de tempo, a mais provável. Essa distinção está associada à origem do PERT para a programação de projetos científicos avançados (como missões para a lua), que eram caracterizados pela incerteza, enquanto o uso inicial do CPM estava associado a atividades de rotina de manutenção de fábricas. Assim, o PERT era frequentemente utilizado quando a variável básica de interesse era o tempo, enquanto o CPM era utilizado quando a variável principal era o custo. Após alguns anos, essas duas diferenças entre as técnicas não distinguiam mais o PERT do CPM. Isso ocorreu porque os usuários do CPM começaram a fazer uso das três estimativas de tempo e os usuários de PERT passaram a tratar os nós da representação gráfica como atividades.

Para a utilização do método CPM, deve-se determinar uma única duração para cada atividade.

 

REPRESENTAÇÃO DE UM PROJETO

Um projeto é constituído por um conjunto de atividades independentes, mas ligadas entre si, através de uma figura chamada diagrama de rede.

 Esclarecendo o diagrama de rede:

- A atividade A é representada pelo conjunto de nós 1, 2.

- A atividade B é representada pelo conjunto de nós 1, 3.

- A atividade C é representada pelo conjunto de nós 2, 4.

- A atividade D é representada pelo conjunto de nós 3, 4.

- A atividade E é representada pelo conjunto de nós 4, 5.

- A atividade F é representada pelo conjunto de nós 3, 5.

O objetivo é atribuir uma duração a cada atividade e determinar em quanto tempo é possível se completar o projeto. Ainda, se em cada atividade designarmos o tipo de recurso que é necessário, a quantidade e o custo de cada um dos recursos, poderemos ter uma estimativa do custo do projeto e uma estimativa de quantidade física de cada um dos recursos alocados no projeto em cada unidade de tempo.

 

DETERMINAÇÃO DO CAMINHO CRÍTICO

Entende-se por caminho a sequência de atividades que ligam o início ao fim do projeto. Caso haja algum atraso na duração de qualquer uma das atividades, haverá um aumento na duração do projeto. É considerado caminho crítico aquele com maior duração.

  

EXEMPLO

O diagrama de rede abaixo apresenta um conjunto de atividades com seus respectivos tempos (semanas), onde de acordo com o tempo de duração de cada atividade, foi definido suas primeiras e últimas datas de inicio, com o objetivo de identificar o tempo total de duração do projeto e o tempo de folga do projeto.

 Conforme apresentado acima, vemos que o projeto tem duração de 13 semanas, onde o caminho crítico (o que consome mais tempo) é identificado no percurso do caminho B, D e E, e os tempos de folga (1 semana) no caminho A, C e E (onde aparece nitidamente na diferença entre os tempos 3 e 4) e 4 semanas (no caminho B e F). No caminho crítico (B, D e E) não poderá ocorrer nenhuma anomalia para não comprometer a data de término do projeto. Já nos caminhos onde os tempos de folga foram identificados (A, C e E; e B e F), caso ocorra algum problema, ainda temos tempo (folga) de corrigir o problema e conseguir concluir o projeto no prazo especificado.

O CPM é uma importante ferramenta no gerenciamento de projetos, pois através dele conseguimos nos programar para definirmos os prazos custos e recursos do projeto e, consequentemente, conseguirmos chegar ao seu término sem nenhum equívoco inesperado.

 

BIBLIOGRAFIA

MARTINS, PETRÔNIO G.; LAUGENI. Fernando P. Administração da Produção. São Paulo : Saraiva, 5ª Ed., 2005.

DAVIS, M.M. Fundamentos da Administração da Produção. Porto Alegre: Bookman, 3ª Ed., 2001.

Autor(es): Rosemary Martins

Sobre o(s) autor(es)

Meire
Rosemary Martins
Administradora de Empresas, Pós-graduada em Comportamento Organizacional e Recursos Humanos, Mestre em Engenharia da Produção e Sistemas. Você também pode encontrar mais informações sobre meus posts no meu perfil do Google+
  • andre

    é possivel haver 2 caminhos criticos?

  • Rosemary

    Bom dia Andre,
    É possivel sim, pois muitas vezes o processo apresenta várias fases com o mesmo e maior tempo de duração, onde devemos estar atentos para que não ocorram anomalias, para que o projeto não atrase.
    Um grande abraço!
    Rosemary